sábado, 17 de setembro de 2011

A FAMÍLIA NO CONTEXTO ESCOLAR

Por Ricardo Viana

Praticamente em todos os conceitos e pré-conceitos existente sobre determinado assunto está repleto de concepções equivocadas e que ao longo do tempo foram sendo vistas como corretas ou como modelos perfeitos a serem seguidos. A família é um desses conceitos e vem passando por um processo de mudanças significativas. Maria Rita Kehl em seu texto: “Em defesa da família tentacular” articula de forma primorosa a visão que a sociedade, principalmente os meios de comunicação, propaga e persegue da família dita “perfeita” que na verdade é produto de uma ilusão, pois esse modelo nunca teria existido efetivamente.

Aquele modelo tradicional, pai, mãe e filhos, já não é unanimidade, sobretudo nas famílias brasileiras. Hoje vemos uma quantidade grande de crianças sendo criadas por avós, mães e pais solteiros ou desquitados, separados, criados pelos irmãos ou tios, além dos casais homossexuais que recentemente tiveram a concessão para adotar filhos. Acreditar que essa diversidade de modelos caracteriza a “desestruturação familiar” e que seriam então responsáveis pela degradação social das crianças de hoje é no mínimo “relativa” levando em consideração as transformações e mudanças que também ocorrem em outros segmentos da sociedade brasileira atual, tais como a degradação do espaço público, dos conceitos religiosos e estruturais, econômicos e tecnológicos e etc.

Todo esse panorama vem de encontro a uma necessidade da sociedade e principalmente da escola de enxergar a família com “outros olhos”, não mais com pré-conceitos, não mais com aquele olhar ora de pena, ora jogando toda a culpa da conduta errada do aluno nela. É preciso ter os vários modelos de famílias como parceiras no processo de educação. Se a escola conseguir a aproximação dos familiares dos alunos, seja ele irmão, tio, avô e ou qualquer um dos responsáveis, terá dado um grande passo para a efetivação de uma educação mais democrática e de qualidade.

Tentar a aproximação dessas famílias ao ambiente escolar pode ser conseguido com a abertura da escola para projetos sociais, palestras educativas, oficinas e outros que valorizem a participação desses na sociedade e no acompanhamento dos alunos, fazendo-os sentirem-se acolhidos e respeitados. As reuniões devem ser, não só para mostrá-los que o aluno precisa melhorar, mas também para posicioná-los das qualidades e potencialidades que os filhos deles têm, precisando apenas de estímulos e incentivos. Desta forma as famílias se conscientizarão que fazem parte da educação escolar de seus filhos, não como responsáveis únicos desta, mas como parceiros dos professores e da escola nesse processo.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário